Quanto o sistema educacional brasileiro foi influenciado por Paulo Freire?

EducaçãoHabilidades socioemocionais

Big Five e as Competências e Habilidades Socioemocionais

As habilidades socioemocionais estão de acordo com os 4 pilares da educação: Aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a conviver.  

No texto anterior, abordamos a Teoria das Inteligências Múltiplas, de Howard Gardner, e resumimos um pouco cada uma delas. A partir de agora, iremos falar sobre ferramentas que estão sendo debatidas no mundo todo como exemplos praticados para o desenvolvimento de todas as habilidades já evidenciadas. Para isso, devemos trazer ao debate as habilidades e competências socioemocionais. Você já ouviu falar ou conhece algo relacionado a esse termo? Sabe distinguir quais são e para que servem as competências socioemocionais? E por que estamos trazendo esse debate para a educação?

Nos anos 90, dois importantes relatórios, um produzido pela Unesco (relatório de Delors) e outro produzido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Paradigma do Desenvolvimento Humano), abordaram a responsabilidade da educação no desenvolvimento do ser humano como um todo, e não somente como proposta de desenvolvimento cognitivo. A partir desta abordagem, surgiram os 4 pilares da educação: Aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a conviver.

Através desses pilares, muitos pesquisadores de diversas áreas, como pedagogos, psicólogos, psicopedagogos, economistas e neurocientistas, passaram a desenvolver métodos que buscassem atingir o objetivo de cada um dos 4 pilares. Quando os resultados das pesquisas surgiram, demonstrou-se ser necessário o desenvolvimento de certas competências e habilidades para que houvesse o resultado efetivo aos pilares. Foi então que perceberam as semelhanças das competências requisitadas com as Soft Skills (habilidades socioemocionais). Agora, o objetivo estava em como desenvolver e disseminar nas escolas a aprendizagem das habilidades socioemocionais. Mas que habilidades são essas? Como podemos identificá-las?

As habilidades socioemocionais são capacidades que não estão relacionadas às competências cognitivas, mas sim, relacionadas ao comportamento humano. São habilidades maleáveis, ou seja, é possível aprender, é possível ensinar e é possível desenvolver. Todo ser humano tem a capacidade de desenvolvê-las, pois estão ligadas ao lado psicológico e emocional do desenvolvimento humano. Para nos aprofundarmos mais quanto às habilidades e competências socioemocionais, precisamos entender um pouco sobre a metodologia “Big Five”

Big Five, ou Modelo dos Cinco Grandes Fatores, é uma metodologia do ramo da psicologia, desenvolvida dentro da Teoria da Personalidade, onde tem por objetivo avaliar e analisar as pessoas de acordo com cinco grandes fatores:

1. Abertura para experiências: Pessoas que demonstram ter interesse em desvendar novas experiências, sejam elas emocionais, culturais, estéticas ou somente por aventura. São imaginativas e conseguem criar novas imagens, cenários ou narrativas. Se destacam pela curiosidade, pelo dom artístico e pelos costumes não convencionais.

2. Conscienciosidade (ou escrupulosidade; consciência): Pessoas que demonstram maior autocontrole em seguir seus próprios regramentos e regras externas. São auto disciplinados, eficientes e objetivos. Preferem algo planejado ao em vez do espontâneo e demonstram serem mais rígidos a qualquer quebra de acordo.

3. Extroversão (ou engajamento social): Extrovertidos são aqueles que demonstram maior facilidade no convívio social e são caracterizados como pessoas mais energizantes. Pessoas amigáveis, sociáveis e entusiastas. Gostam do contato humano e demonstram sempre emoções positivas.

4. Amabilidade (ou agradabilidade; simpatia): São pessoas que valorizam a cooperação, a empatia, o respeito e a confiança. Costumam ter uma visão positiva da natureza humana, sendo, por muitas vezes, compassivo e cooperante. Se caracterizam como tolerantes, modestos, altruístas e simpáticos.

5. Estabilidade e Resiliência emocional (ou neuroticismo): Pessoas que demonstram ter maior controle quanto a sentimentos negativos, como raiva, tristeza, ansiedade ou depressão, são indivíduos que possuem menor índice de neuroticismo, e por consequência, maior estabilidade emocional. São caracterizados pela dificuldade de serem perturbados e são menos reativos emocionalmente.

A partir desta metodologia, foi possível identificar as habilidades socioemocionais. São inúmeras já listadas, porém iremos mencionar as mais demandadas no contexto atual e que estão presentes no Big Five:

Adaptação, atitude, assertividade, autoestima, autocuidado, autoconfiança, autoconhecimento, autocontrole, autogestão, autonomia, colaboração, comunicação, coragem, criatividade, curiosidade, determinação, desenvolver sobre pressão, empatia, ética, escuta ativa, foco, honestidade, iniciativa própria, liderança, linguagem, metacognição, organização, pensamento critico, planejamento, produtividade, resiliência (perseverança) e responsabilidade.

Todas estas estão presentes na metodologia Big Five, que é base para o modelo apresentado pela the Collaborative for Academic Social and Emotional Learning (CASEL). O Casel é um conjunto colaborativo de acadêmicos, que buscam através de evidencias, implementações e politicas publicas, demonstrar a eficiência da aplicação das aprendizagens socioemocionais na educação.

De acordo com a organização, há pesquisas demonstrando que a aplicação das habilidades e competências socioemocionais no ensino, representam melhora na postura do educando diante a escola, família e outras pessoas de seu convívio, apresenta melhora nos testes acadêmicos e melhoram o comportamento social. Além disso, pesquisas também demonstram que há redução nos problemas de comportamento e nos distúrbios emocionais. Também identificaram a redução dos fatores de risco para vida do educando, como a violência, o abuso de substancias químicas ou a reprovação na escola.

No Brasil, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) já prevê as habilidades socioemocionais nas 10 competências gerais requisitadas pelo documento. O novo ensino médio, que será implementado no ano que vem, também está dando abertura para essas novas habilidades no currículo. Porém, a discussão da BNCC vem se arrastando desde 2015, sem efetivamente empregar ao currículo nacional as habilidades e competências socioemocionais.

Nosso papel agora, é observar o que está resultando de dados positivos e desenvolvermos nosso método nacional, tupiniquim, bossa nova, de ensino e aprendizagem socioemocional.

About author

Gustavo é graduado em Gestão Comercial, com pós-graduação em Habilidades e Competências Socioemocionais na Educação Básica e pós-graduação em Gestão Escolar, todas as graduações pela Universidade Positivo do Paraná. É CEO da Icapiedu. Plataforma gamificada que utiliza de uma metodologia socioemocional para realizar diagnósticos nas escolas e fortalecer o protagonismo dos alunos que sofrem com o bullying no ambiente escolar. Por fim, é um entusiasta por uma educação nacional de qualidade e com a cara do Brasil.
Postagens relacionadas
Educação

O processo de aprendizagem segundo a Epistemologia Genética e a perspectiva da Psicologia histórico-cultural

EducaçãoNovas Tecnologias

Metodologia STEAM: 6 dicas para implementar em sua escola

EducaçãoGestão Escolar

José Pacheco e sua contribuição para a educação no Brasil e no mundo

Gestão EscolarHabilidades socioemocionaisNovas Tecnologias

Habilidades socioemocionais incorporada em todas as disciplinas

Inscreva-se em nossa Newsletter e
mantenha-se informado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vale a pena ler...
A Teoria das Inteligências Múltiplas e sua desvalorização no sistema educacional brasileiro
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?